Encontro de Formação de Pregadores

24/03/2012 13:50

1º Ensino: O Chamado

No primeiro instante logo após a Santa Missa presidida pelo nosso diretor espiritual Padre Dioclésio, o Divino fez abertura do encontro apresentando as pessoas que iriam estar conosco durante estes dois dias, logo após o Aberaldo nosso coordenador da RCC nos apresentou o tema “O Chamado”, falou sobre três requisitos:

1- O Pregador Tem que ter nascido de novo, ter uma experiência pessoal com Jesus, nascer da água e do Espírito, Aprender a ouvir Jesus pra falar de Jesus.

2- conduta irrepreensível, anunciando o que você consegue viver, apresentar o que conhece, pregar com nos fala santo Agostinho “pregue, pregue e se preciso for utilize palavras”, exemplo: ser bom pagador, comprar o que da conta de pagar. Se você não der testemunho as suas palavras não chegam até o coração das pessoas.

3- Não precisa ser prefeito, mais tem que viver uma busca contínua, este encontro não te obriga a pregar, mais te mostra o caminho para buscar como pregar.

 

Em outro momento Ele nos fala como, CF II Pedro 2,20 Com efeito, se aqueles que renunciaram às corrupções do mundo pelo conhecimento de Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador nelas se deixam de novo enredar e vencer, seu último estado torna-se pior do que o primeiro. Se você decidir pregar, decida ser irrepreensível se não, é melhor não.

Característica de pregador: O pregador tem que ter maturidade, o pregador tem que ter constância no grupo de oração, falar com convicção, ter humildade, não deixar a pregação inchar o pregador, não deixar a vaidade tomar conta, o pregador tem reconhecer o seu nada para reconhecer que quem faz é Deus, tem que ter aptidão, gostar de falar. Mais a principal característica de um pregador é a “Unção”. Diferença entre o pregador e o ministro de ensino: Ministro de ensino é mais catequético ex: (Felipe de Aquino Comunidade Canção Nova), o pregador é querigmático e Mostra o amor de Deus, o pregador gera conversão e o ministro de ensino gera convicção.

Mais é preciso dos dois, termina a sua pregação nos chamando a nós a oração, a conversão, a uma mudança verdadeira, clamar o Espírito Santo o deixar Fluir em nós.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges

 

Pregador: Aberaldo Cardoso

Coordenador Diocesano da RCC

Diocese de Uruaçu-GO

2º Ensino: Ir Além

Em um segundo momento vai ser falado sobre o tema “Ir além” com o pregador Anísio da paróquia Nossa Senhora da Guia de Campinorte – Go nos convida a meditar sobre este tema, colocar a mão em nosso coração e proclamar que Deus é o nosso Senhor, agradecendo a Deus pelo dom da vida.

Ele começa a nos dizer que nós temos de ir além, a deixar Deus nos conduzir a este além, o pregador tem que atingir o alvo, muitos pregadores pregam com palavras bonitas, mais não atingem o alvo e este é a conversão, a libertação das pessoas.

Temos que ter uma rotina CF Êxodo 3,1-6 (Moisés apascentava o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Madiã. Um dia em que conduzira o rebanho para além do deserto, chegou até a montanha de Deus, Horeb. O anjo do Senhor apareceu-lhe numa chama (que saía) do meio a uma sarça. Moisés olhava: a sarça ardia, mas não se consumia. “Vou me aproximar, disse ele consigo, para contemplar esse extraordinário espetáculo, e saber porque a sarça não se consome.” Vendo o Senhor que ele se aproximou para ver, chamou-o do meio da sarça: “Moisés, Moisés!” “Eis-me aqui!” respondeu ele. E Deus: “Não te aproximes daqui. Tira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que te encontras é uma terra santa.  Eu sou, ajuntou ele, o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó”. Moisés escondeu o rosto, e não ousava olhar para Deus.) Mostrando que Moisés era pontual e cumpria a sua tarefa, mais um dia ele resolveu ir além do deserto, decidiu correr o risco, lugar desconhecido, sabendo das conseqüências de ir além do deserto mesmo assim ele foi levando seu rebanho, e diante de uma chama onde uma árvore esta queimando mais não se consome, Moisés se espanta, mais se decide ir mais perto para ver, então do meio da sarça ardente veio a vós falando a ele, e Moisés descobre um Deus que esta perto dele, que fala a ele, um Deus amigo e que acima de tudo quer libertar o seu povo.

A novidade de Deus esta quando nós ousamos ir além através da nossa pregação, ir além onde humanamente é impossível, em nossas comunidades precisam de pregadores que possam levar as pessoas a ir além, pregadores que caminham sobres às águas, fazer a experiência de Pedro, ter coragem de pregar um Deus grande, capazes de gerar conversões. Quem não cruzar os limites do convencional para levar o povo a ter uma aliança com Deus. Fazer a experiência Deus como Moisés, falar com Deus, perguntar a Ele como deve ser conduzida a pregação, precisa ter conteúdos, métodos e levar as pessoas a ter um encontro pessoal com o Senhor mais para isso temos que sair da nossa comodidade, estar disposto a ir além, além das minhas expectativas, do que eu penso, da minha rotina, fazer um encontro pessoal com Jesus. Quais são os desertos que você precisa ir além, o que na sua vida você precisa mudar para que toda a vontade do senhor aconteça na sua vida, para que você seja um pregador que pregue com autoridade, unção, ser livre em Jesus.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges

 

Anísio Pereira

Coordenador Paroquial da RCC

Paróquia Nossa Senhora da Guia

Campinorte-GO

Diocese de Uruaçu-GO

3º Ensino: O Perfil do Pregador

O Zé H, como é chamado o José Henrique, vem nos falar neste momento sobre este perfil do pregador CF Mc 16,15 (E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura). Deus nos criou para anunciar a sua palavra com bastante entusiasmo.

Objetivo do pregador é demonstrar quem é e como deve ser aquele que foi chamado para ministrar pregação, qual o seu perfil.  
Pregação é o anuncio do evangelho com a minha pessoa, com minhas atitudes é um anuncio silencioso e a proclamada é através da oratória. O pregador é uma pessoa chamado por Deus para anunciar a palavra de Deus, dar o primeiro anuncio mostrar a força da palavra, o embaixador de Jesus o representante de Jesus aqui na terra uma pessoa especialmente escolhida para levar a palavra de Deus.
A qualidade do pregador é conhecida pelo seu perfil, com uma palavra já somos conhecidos, devemos tomar cuidado com as nossas ações.
Nosso modelo de pregador é Jesus Cristo, devemos ter os mesmos traços de Jesus, mostrar Jesus através de nós. Ter uma profunda intimidade com Deus, conversar, confiar e ser amigo de Deus, ser firme, ser fiel e perseverante.
O pregador tem que ser amigo, agradável e viver sempre em comunidade. Ter personalidade tecida e moldada por Jesus.
Valor do perfil no ministério da pregação que é conjunto de atributos lhe dado por pelo o Senhor da messe.
O pregador tem que ser como Paulo uma fé inquebrantável, anunciava com destemor, profundo senso de comunidade.
As atitudes do pregador é que vai caracterizar o perfil do pregador.
 
Transcrição e adaptação: Cleber Borges
 
José Henrique ( Zé H )
Coordenador Paroquial da RCC
Paróquia Nossa Senhora da Abadia
Niquelândia-GO
Diocese de Uruaçu-GO

4ºEnsino: Características do perfil do Pregador 

Ela começa nos chamando em oração, perguntando a nós qual a características de perfil de pregador nós queremos. O pregador é uma pessoa cheia do Espírito Santo, CF 9,17 (Ananias foi. Entrou na casa e, impondo-lhe as mãos, disse: Saulo, meu irmão, o Senhor, esse Jesus que te apareceu no caminho, enviou-me para que recobres a vista e fiques cheio do Espírito Santo.) Conduzida pelo Espírito Santo.

O pregador é inserido na realidade do seu povo, como Jesus fez, inserido no meio dos judeus. Anunciando a boa nova, mais denunciar as injustiças, não ficar indiferente e alienado de seu meio social.

O pregador é responsável, paciente e perseverante, preparando suas pregações com antecedência o que ele vai pregar, por meio de oração pessoal, do jejum, da participação dos sacramentos e da penitência.

O pregador é intimo de Deus, pois como amar de verdade sem conhecê-lo, tem que ter intimidade com Jesus, ser meu melhor amigo e fortalecer esta amizade, sentar aos seus pés e deixar ser amado por Ele. Ouvir o seu chamado como Samuel que mesmo demorando a reconhecer o chamado, mas reconheceu CF (Vai e torna a deitar-te, disse-lhe ele, e se ouvires que te chamam de novo, responde: Falai, Senhor; vosso servo escuta! Voltou Samuel e deitou-se. Veio o Senhor pôs-se junto dele e chamou-o como das outras vezes: Samuel! Samuel! Falai, respondeu o menino; vosso servo escuta!), mais para isso é necessário à intimidade com o Senhor.

O pregador é uma pessoa de fé, pois o pregador professa a vontade de Deus, o pregador não acha nada. Como o Papa Paulo VI  a pregação não vem do que o indivíduo pensa, o pregador é alguém  cuja maturidade da fé repousa na doutrina apostólica, recebida pela Igreja e conservada por ela com muito zelo e amor.

O pregador é homem das bem-aventuranças, temos que ter coração pobre, chora, tem compaixão, é manso, é justo tem o coração puro, pacífico, mesmo perseguido por causa de Jesus ele sabe que o Senhor é a sua defesa.

O pregador usa os carismas, ele tem que deixar ser usado por Deus, ele é membro do corpo místico de Cristo, à medida que ele aprofunda a dimensão mística de seu relacionamento com Jesus, mais ele se sente inserido na Igreja, temos que fazer bem, cumprir bem a nossa missão.

O pregador tem visão do plano de Deus, o conhecimento do plano de Deus apresenta-se em duas partes que se complementam: uma no sentido geral e no sentido particular, Jesus é quem revela ao pregador o que ele deve fazer, qual a sua missão pessoal no contexto do plano geral.

O pregador tem que ter zelo pelo Evangelho, é o Espírito Santo que faz com que o coração de pregador arde de desejo de pregar oportuna e inoportunamente porque CF I Cor. 9,16 (Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!).

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges

 

Selma Moura

Conselheira Vitalícia da RCC

Diocese de Uruaçu-GO

5º Ensino: Forjando o Nosso Perfil de Pregador

O nosso irmão Divino Galvão nos apresenta este chamado a nos igualar-se a Jesus e isto é uma tarefa sobre-humana, ele nos fala sobre a maneira de forjar artesanalmente o ferro, e isto exigia dele capricho com zelo. O nosso artesão é o Espírito Santo, somos esta matéria prima e devemos deixar ser forjados segundo a vontade de Jesus, como Ele devemos seguir o seu modelo como pregador, mais para isto devo ter a vida experimentada pelo Espírito Santo. O caminho da cruz é o caminho da consagração, a renúncia nos leva a abrir um espaço para a ação do Espírito Santo CF Mt 16,24 (Em seguida, Jesus disse a seus discípulos: Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, recobrá-la-á.) como pregador como ganhar a vida e perder a graça do amor de Deus, depois como anuncia-lo. Não podemos servir a Deus e o mundo, pequenas coisas rompem com a graça de Deus, porque geralmente são pequenas, mais são muitas coisas que vão se acumulando, ocupando o espaço de Deus em nossa vida.

O pregador não manda mais no seu tempo, se você escolhe este ministério, sua vida é deixada de lado em razão da vontade de Jesus.

O amor é a marca mais sublime do perfil do pregador, Jesus tinha compaixão daquele povo que parecia mais um rebanho  sem pastor, ele saia  ao encontro daquelas  pessoas e Seu coração transbordava de amor.

O Cristão precisa aceitar a forja do Senhor, aceitar a poda de Jesus, aceitar que para crescer na fé é necessário ser podado, como uma árvore que para dar frutos bons tem que ser podada. Temos que ser inteiramente do senhor CF Ap 3,16 (Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te.) aceitar o que Deus tem para min.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges

 

Divino Galvão

Coordenador Diocesano Ministério de Cura e Libertação da RCC

Diocese de Uruaçu-GO

6º Ensino: Como Organizar uma Pregação 

Uma pregação tem que ter introdução, desenvolvimento e conclusão, lógico que para organizar tudo isso é necessário a escuta a vontade de Deus, após esta escuta começa a elaboração, elaborando uma estratégia que nos permita chegar ao que se propõe.

Introdução: tem como objetivo animar o auditório para que ira ser pregado.

Motivação inicial: é a exposição geral do tema a ser pregado. Pode ser por citação bíblica e não deve ser longa, e não deve ter mais do que três idéias, para evitar dispersão e confusão.

Desenvolvimento: É o corpo da pregação, onde vai fazer o enunciado da pregação, argumentação que é a explicação do que se deseja, aplicação que é a parte onde se valoriza a mensagem.

Conclusão: Muitas vezes a pregação é salva por uma boa conclusão e ela é composta do resumo, imperativo e oração final.

Resumo: reúne os temas pregados

Imperativo: exortação final que contém: desafio, exortação e chamamento

Oração final: feita na orientação do imperativo para que a Palavra seja eficaz já naquele momento.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges
 
Anísio Pereira
Coordenador Paroquial da RCC
Paróquia Nossa Senhora da Guia
Campinorte-GO
Diocese de Uruaçu-GO
 

7º Ensino: Os Caminhos da Pregação

Ao começar este momento o Aberaldo nos convida a fazer uma reflexão sobre a nos desdobrar e não deixar o cansaço  tomar conta de nós CF 15,58 (Por conseqüência, meus amados irmãos, sede firmes e inabaláveis, aplicando-vos cada vez mais à obra do Senhor. Sabeis que o vosso trabalho no Senhor não é em vão.).

Quem te da o ministério é o senhor, não depende de nossas limitações, seja obediente ao desejo do Senhor CF Lc 5,4-5 (Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar. Simão respondeu-lhe: Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos; mas por causa de tua palavra, lançarei a rede.)

O mal pregador fica dando recado e pode ferir as pessoas já o bom pregador a mensagem de Deus é espontânea e conduzido por Deus, o pregador tem que ruminar a palavra de Deus, saborear a Palavra, nunca achar nada, pregar o que esta escrito e ir além como Moisés foi, procura onde não tem, como Moisés ao entrar no mar e acreditar no que o Senhor fala.

Quatro vias de pregação:

Via cosmológica: utilização do que Deus nos deu.

Via da revelação: utiliza-se da criação do homem, sabendo que Deus tomou a iniciativa de buscar o homem, ter discernimento em nossa pregação, conhecer a história do lugar onde vai pregar .

Via do magistério da Igreja: Pregar aquilo que a Igreja já interpretou, documentos oficiais da Igreja fontes inesgotáveis onde pregador encontra mensagens muito ricas.

Via antropológica: O homem em si mesmo é a presença de Deus neste mundo, tudo que  ouvir e ver podemos utilizar com sabedoria e com eloqüência.

Muitos são os caminhos mais quem te leva é Deus, mais quem são as pessoas, mais o prazer de pregar e enfrentar desafios por Deus e o sim é seu, deixe Deus te utilizar, abandone-se na graça de Deus.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges
 
Pregador: Aberaldo Cardoso
Coordenador Diocesano da RCC
Diocese de Uruaçu-GO
 

8º Ensino:Classificação da Mensagem 

O que a Selma começa a nos falar sobre o nosso convite para amar, este amor deve nos levar superar todos os obstáculos.

Classificar a mensagem significa definir o tipo de pregação que se vai usar, de acordo com as circunstancias e o processo de conversão do auditório, se queremos que as pessoas se identifiquem com a mensagem.

Existem alguns tipos de mensagem:

Chamamento: mensagem de convite para aproximar as pessoas de Deus.

Evangelização: mensagem de salvação em Jesus.

Conversão: mensagem que insiste na resposta do homem à salvação em Jesus.

Catequese: é utilizada quando se quer dar um sólido ensinamento de doutrina.

Compromisso: mensagens que levam as pessoas a responderem concretamente.

Apologética: ajudam a descobrir os erros doutrinais com respeito a fé.

Fortalecimento: mensagens que acendem o ânimo renovam o entusiasmo pela vida.

Impacto: também chamadas de quebrantamento, são mensagens que sacodem e despertam o auditório.

Primeiro temos que fazer “analise de solo”: discernir o que a comunidade necessita, selecionar o tipo de mensagem, temos estar atentos para quem eu vou pregar.

 

 
Transcrição e adaptação: Cleber Borges
 
Selma Moura
Conselheira Vitalícia da RCC
Diocese de Uruaçu-GO
 

9º Ensino:Como Pregar a Mensagem

O pregador tem que se preparar o tempo todo, tem que sentir necessidade de pregar pra si mesmo.

O pregador não tem férias, a sua vidinha boa acabou, os seus finais de semana tranqüilo, acabou, porque sua vida não te pertence mais, pertence à aquele que te criou.

Antes da pregação:

Apresentação física: cabelos arrumados, roupa certinha, sapatos limpos.

Vestir de acordo com o ambiente.

Reconciliar-se: se a apresentação exterior é importante imagine a interior.

Tempo: O pregador deve estar no local da pregação antes do horário marcado.

Durante a pregação:

Tomar autoridade:Diante do auditório, o pregador deve tomar autoridade no nome do Senhor.

A voz: o uso da voz é determinado na pregação. E preciso ter cuidado para a voz não ser estudada demais pois se não parecera falsa.

Os olhos: são elementos essenciais na pregação, portanto o pregador antes de começar chama a atenção olhando todos em silêncio.

As mãos: tomar cuidado com as mãos dominar para que os gestos não seja extravagantes demais.

O corpo: todo corpo deve contribuir para o seu objetivo seja atingido.

A respiração: É a bateria que alimenta de energia a voz, sendo portanto, fator importante para o pregador.

Tempo: É importante o cuidado com o tempo, evitando-se olhar no relógio a toda.

 

Transcrição e adaptação: Cleber Borges
 
Divino Galvão
Coordenador Diocesano Ministério de Cura e Libertação da RCC
Diocese de Uruaçu
 
 
 

  Veja fotos